quinta-feira, 7 de dezembro de 2017

É tempo de Natal - de 1 a 7 de Dezembro

Desde que trabalho (há 19 anos!!!), que nunca tive um "natal descansado". Provavelmente esta é uma ideia idílica que tenho da época, mas este ano vou tentar comprovar se é verdade. 
É uma sensação agri-doce. Se por um lado, o facto de ter mudado de emprego me deu ainda mais vontade de celebrar estes dias, por outro lado, o falecimento do meu pai no início de Novembro, fez com que o meu entusiasmo fosse refreado e naturalmente que me sinto "menos feliz", mas também sei que ele não quereria que eu deixasse de fazer nada só porque já não está cá.
O ano passado, comprei um calendário de advento para o Diego (daqueles de chocolate), porque quis que ele começasse a compreender a "contagem regressiva" para a noite de Natal.
Este ano, decidi fazer um calendário mais personalizado, que estimulasse a ideia de Natal, de tarefas, de rotinas e de tradições.
Durante o fds conseguimos fazer coisas mais elaboradas, mas durante a semana as tarefas têm de ser mais práticas e menos morosas.
Os posts serão principalmente de actividades com o Diego, mas aproveitei também para registar algumas coisas de "gente grande" = minhas.


Coroa de boas vindas ao Natal



Sexta feira, dia 1 - FERIADO

Tarefa: Fazer a árvore de Natal.


Já tinha as decorações, árvores, velas e afins, todas organizadas e separadas. Assim, foi só montar a árvore e encher de "bolas" e luzes. Foi um trabalho de equipa no espírito "um faz e o outro desfaz".
Missão cumprida!

A manhã rendeu e ainda aproveitamos para irmos passear à Nazaré
...e como a hora de almoço chegou sem darmos por ela, rumamos à Benedita para comermos as melhores bifanas grelhadas de Portugal ao "Bigodes".

À tarde, ainda fomos beber um cházinho com a Joana e conhecer ao vivo e a cores o Matias.

Sábado, dia 2 

Tarefa: Escrever uma carta ao Pai Natal.

Como ele ainda não sabe escrever, foi-me ditando o que queria dizer e eu transcrevi palavra por palavra :)  No final, assinou a verde e na 3ªf colocámos a carta no correio. 

Apesar de estar com mais de 39ºC de febre, quis ir dar uma voltinha de bicicleta e andar pela "natureza" (que é a nossa mata privada :)).



À noite tivemos uma festa de aniversário.

Domingo, dia 3 

Tarefa: Fazer um passeio em família.

O dia esteve perfeito. Temperatura amena (uns 10ºC/12ºC), o sol aberto e o vento nem bulia. As condições foram as ideais para a tarefa do dia.


Antes de irmos, tomei o pequeno almoço habitual, mas que agora fica com mais cara de Natal: papas de aveia com frutos secos. Adoro!
Olha o macaquinho a espreitar!
Optámos por ir às Caldas da Rainha ver as montras enfeitadas e as ruas a transbordar de "espírito natalício"

, e acabámos o passeio e a brincadeira no Parque D. Carlos I, onde passamos um magnifico final de manhã.

O parque esá decorado com bonecos de neve, enfeitados por diferentes instituições e organizações e isso conferiu um carácter particular a casa um deles.



À tarde tivemos um convívio familiar e o cachopo ficou tão cansado que adormeceu a caminho de casa.
Cá para mim, todos os fds deveriam ser de 3 dias. O bom é que o próximo vai ser igual!


Segunda, dia 4 

Tarefa: Colorir um desenho de Natal

Conforme já referi, as tarefas dos dias "de semana" têm de se enquadrar nas nossas rotinas do dia-a-dia e não podem demorar muito tempo, porque na prática sabemos que é sempre a correr e não há grande margem de manobra para outras actividades.

Terça, dia 5

Tarefa: Contar uma história de Natal

Como ele gosta muito de comboios, escolhi um conto chamado "O comboio de Natal" e que passava em slide show. Em casa não tenho nenhum livro específico de Natal e por isso recorri ao computador.

Quanto a mim, este dias têm sido acompanhados de muito chazinho (óptimo para aquecer as entranhas) e creme das mãos, que a pele anda tão seca que dói!


Quarta, dia 6

Tarefa: Ir ver a iluminação de Natal da nossa Vila

 Por acaso, este ano até montaram e ligaram a decoração atempadamente. Atravessa o centro da vila, as rotundas estão iluminadas e até há "presépio".

 Quinta, dia 7

Tarefa: Cantar uma canção de Natal
 Perguntei-lhe que canção de Natal é que ele queria e ele escolheu "aquela dos Caricas". Imprimi a letra e cantámos juntos.

Os primeiros 7 dias de "Natal" foram assim! Amanhã começa o novo fim de semana grande e uma pessoa só se pode entusiasmar com isso.

sábado, 2 de dezembro de 2017

As linhas que nunca quis nem pensei em escrever...

2ªf, 06-11-2017 : sem grande aviso prévio o meu pai faleceu. 67 anos. Não me apetece falar disso, mas sei que o queria registar: o AVC é tramado e se for assim "fulminante" não dá hipótese.
Custa muito pensar no "nunca mais" e tento focar-me nas recordações mas as saudades apertam a cada dia que passa. 
Cuidem-se!

quinta-feira, 2 de novembro de 2017

Outubro 2017 - um mês bom!

Outubro 2017 vai ficar marcado como um mês de viragem na minha vida. 

Sabia que a mudança de emprego iria ter um forte impacto na minha vida, mas...não sabia o quanto. O lado negativo é que ainda me recrimino mais fortemente por não o ter conseguido fazer mais cedo. 

Na prática, Outubro foi um mês muito generoso e deu-nos sol e calor fora do normal; ainda que saiba que  não é bom para a agricultura, é mau para os incêndios, também sei que não há nada que possamos fazer para o alterar (apenas fazer o mais possível para combater as obscenas alterações climáticas dos últimos anos), mas o que quero dizer é que, se o tempo está bom, é aproveitar...e foi isso que fiz.

Coisas que mudaram:

.A mais importante foi sem dúvida "conseguir ir buscar o Diego à escolinha";
No primeiro dia repetiu 5 vezes à auxiliar que era "a mãe que o ia buscar"; mesmo assim, e para ele não pensar que havia uma "obrigação" de ser sempre eu, fomos dividindo esta tarefa: uns dias a mãe, uns dias o pai;  em quase 3 anos, eu nunca o fui buscar ao final do dia; obviamente que não posso voltar atrás e a "minha dor" vai permanecer cá, mas não há nada comparado com a felicidade dele quando lhe digo "hoje é a mãe";

.Como estou com o ele mais tempo, conseguimos fazer algumas coisas ao final do dia: visitar a família, andar de bicicleta, ir ao café, à Farmácia (uns dos sítios favoritos dele!!), ir ao Supermercado, jantarmos todos juntos..., enfim, tudo isto são coisas banais e mundanas, mas são coisas que, durante a semana eu NUNCA conseguia fazer com ele e por isso é tão importante para a nossa vida familiar; 

.Organização da casa: venho almoçar a casa e dependente do meu humor e energia, consigo aproveitar para fazer aquelas pequenas tarefas: recolher os lixos, fazer a cama, despejar ecopontos, tirar louça da máquina, adiantar o jantar, arrumar uma gaveta ou mesmo ficar na net a pasmar...Apesar de ser pouco tempo dá-me muito jeito;

Ler um livro por mês. Senhores! há quanto tempo eu não lia um livro numa semana!?! Fiquei com aquela sensação e ansiedade de "apetece-me ler já outro de rajada", mas como tudo, o que vicia não é bom para mim e tenho consciência de que, se fico agarrada ao livro deixo outras coisas para trás e não consigo ter bem conta, peso e medida.
"Tríptico" de Karin Slaughter - o livro do mês

.Sem me alongar, um familiar directo teve uma situação de saúde e eu senti-me tão mais descansada por estar no novo emprego; sabia que se fosse necessário, poderia sair de um momento para o outro e ajustar os horários sem haver grande stress. É muito importante quando alguém no local de trabalho nos diz "family first" e entende que "há casos e casos". Se fosse antigamente, isto era mais um factor de stress e de tristeza porque sabia que, mesmo sendo uma questão importante eu não podia dar o apoio necessário, porque 30 minutos de ausência requeria 3 horas de preparação, 1 hora de passagem de recados, e infelizmente tudo o que poderia dar errado ia acontecer naquele espaço de tempo (pode parecer exagero e falta de organização, mas garanto que era verídico e que em nada estava relacionado com a minha desorganização).

Gosto de assinalar o que faço com fotos e por isso, ilustro algumas das coisas que fizemos durante este 31 dias:

 No dia 6 de Outubro, fomos passear a Elvas. Um calor que não se aguentava (40ºC) e enquanto o pai andava a zanzar, optei por ficarmos parados à sombra. Melhor opção de sempre!

No 2º f-d-s, aproveitamos mais uns dias de "verão com muito calor" e depois das brincadeiras no parque infantil, visitamos mais uma vez as salinas de Rio Maior.

As actividades do final do dia passam também por fazermos, muitos puzzles de todas as cores e feitios. Quando está preguiçoso pede-me ajuda; quando está de bom humor faz tudo sozinho e de uma virada.



 14-10-2017 - Festa de aniversário do A.; Houve insufláveis , muita brincadeira...e batatas fritas - em casa não há, mas nas festas tem carta branca para comer estas coisas. Nem sempre, nem nunca! gostava que, dentro do possível, ele tivesse uma boa educação alimentar e soubesse gerir e equilibrar as coisas. Isso requer trabalho dos pais, da escola e da criança, mas acho que vamos no bom caminho.

A nível dos "grandes", tive direito a jantar e lanches com as amigas. Sabe bem deixar para trás a cachopada e conversar "a sério" (no meio de muitas risadas). Há mesma hora, no sitio do costume :)

Das coisas que mais gostei de fazer em Outubro "foi nada". Chegar a casa, abrir as portas e ficar só a olhar para o nosso "jardim", onde se cruzam as ervinhas a rebentar (tal e qual Primavera) e as folhas, próprias do Outono. Adoro, adoro, adoro!
O nosso "jardim".

Halloween - ainda que não seja uma tradição portuguesa, não nos podemos esquecer que a globalização democratizou usos e costumes. É claro que há tradições que fazem mais sentido nuns sítios do que nos outros, mas eu gosto do Halloween e pelo segundo ano, decorei a casa e abri a porta cada vez que me tocaram à campainha. Foi a forma perfeita de encerrar o mês.

Obviamente que foi também um mês de adaptação: novos colegas, novos locais, novas metodologias, novos horários ( e uma pessoa habitua-se tão facilmente às coisas boas!), novas rotinas com o Diego. Ainda há muita arresta para limar e sei que ainda posso e vou rentabilizar melhor o meu tempo;

Que venha Novembro... 

segunda-feira, 2 de outubro de 2017

Tempo de mudança

Sou uma rapariga de relações duradouras (pelo menos até aqui). Acho que não sou acomodada, mas certamente gosto de estabilidade e de saber com o que posso contar.

Estive no meu (quase) primeiro emprego durante 12 anos e meio. Estive no meu segundo emprego 6 anos e meio.

Já sabem das minhas "queixas": tempo demais no trabalho que não me deixava tempo de qualidade para o resto da minha vida.
Além disso, depois de ter voltado da licença de maternidade (em Setembro 2014), o facto de ter mudado de funções e de haver muita pressão e stress, também não ajudou à minha satisfação profissional.
Sempre tentei dar o meu melhor, mas obviamente que se uma pessoa não estiver a fazer alguma coisa que o motive e que se sinta realizado, o grau de "compromisso" e satisfação nunca é tão grande.  O que quero dizer é que, apesar dos resultados finais serem bons, eu não gosto de cumprir por cumprir. Gosto/preciso de ter objectivos e metas que me estimulem. 

Só me apetecia dizer a mim própria "get a life!" (para além do trabalho!). Apesar desde aprisionamento físico (e muito mental), eu não podia largar o trabalho e ficar de papo para o ar e viver dos rendimentos (que não tenho!). Chorei algumas vezes (muitas a caminho de casa) e pensava sempre "mas será que não há outra opção?"

Nos últimos 3 anos, apareceram algumas oportunidades, mas nunca se concretizou nada. Sabia aquilo que queria e o que não queria em termos de horários e de organização.
Não andava à cata de nada, mas ao mesmo tempo ia estando atenta às oportunidades.
No final de Julho, tive um contacto com uma boa proposta e de acordo com aquilo que eu precisava e queria. Sabem daquelas coisas boas demais para ser verdade? Fiquei muito entusiasmada, mas ao mesmo tempo não me queria deslumbrar: mais perto de casa, menos horas no trabalho, mais contacto com outras culturas, ordenado decente....e como é que eu não havia de ficar entusiasmada?

A minha rescisão teve um "parto difícil". A chefia não compreendeu as minhas razões e demorou a aceitar, mas depois lá fez o "luto" e os 2 meses de pre aviso correram bem, apesar de muitas vezes me ter sentido pressionada para ficar.

Não sei se a experiência vai ou não dar certo, mas estou muito positiva quanto a isto. Sou daquelas pessoas que acredita que as coisas aparecem na hora certa, mas ao mesmo tempo sei que nos temos de "mexer" para fazer as coisas acontecer.

O primeiro dia corre bem e tive direito a comité de boas vindas e senti-me "bem recebida".
Confesso que não fiquei nervosa, nem ansiosa. Acho que os anos e a experiência nos vão dando "calo" para sermos mais serenos e o facto de ser uma empresa que me é "familiar" ajudou muito na integração.
                                       
"There is nothing wrong with change, if it is in the right direction"

sexta-feira, 22 de setembro de 2017

Was the Summer of `17...

21.06 a 21.09.2017
Foram 3 meses em que não fizemos nada de especial, mas ao mesmo tempo não deixamos nada por fazer. Não viajamos, nem saímos da nossa zona Oeste, mas cumprimos os objectivos. Foi um período de decisões pensadas e de certo modo, foi um verão feliz.


Junho

.Uns dias após o começo do verão, comemorámos 17 anos de relação. Nunca ligámos ao dia dos namorados, mas acho que faz todo o sentido continuarmos a celebrar "o nosso dia".
Escolhemos um restaurante local.


Julho
Julho começou com uma "Jornada informativa" no trabalho para balanço dos primeiros 6 meses e no sitio do evento, estava isto estampado na parede:
Sei lá porquê, mas sei que me senti positiva. quanto ao futuro e...tinha razão.

Sabendo que o verão no Oeste "é o que é", sempre que as condições indicavam "sol e calor"   aproveitamos todas as oportunidades para "gozar o verão".
Parque D. Carlos - Caldas da Rainha

Depois de 2 anos sem gostar de água, o cachopo fez definitivamente as pazes e ninguém o para. Além disso, leva 100% a sério a questão da segurança, porque não entra sem braçadeira e bóia ( e eu não me importo nada e até me sinto mais tranquila com este pedido dele)  

.A escola do D terminou oficialmente, mas ele ainda se manteve por mais uma semana, uma vez que os paizinhos não estavam de férias


Agosto

Não marcamos estadias fora. Os preços nas zonas com sol mais constante (AKA Algarve) estão simplesmente absurdos. Neste momento, prefiro dar prioridade a outras coisas e quem sabe, fazer viagens e sair em época mais baixa.

Desde Barcelona, que o Diego ficou viciado em "comboios" (metro, eléctrico, tram, ascensor...tudo o que passar por uma linha). 
Eu achei que ele is adorar andar de avião, lá bem alto a ver as nuvens...mas não! Foi-lhe quase indiferente. Agora, andar de metro foi para ele o máximo!!: mapas, linhas, abrir e fechar portas...todo um mundo novo que lhe ficou na memória.

Fomos fazer a linha Sintra-Praia das Maças (e vice versa), só para ele também ter uma experiência com um "comboio" diferente

Aleluia! que conseguimos fazer UM dia de praia, cujo tempo esteve simplesmente espectacular.
Nazaré

Feira de Alcobaça par o Diego ir "ao Circo". Luzes, barulho, carrossel...e ele acha que é circo.

...e aproveitamos para passear e fazer actividades sempre que dava.
Com o capacete de andar de bike na cabeça :)

Estivemos os 3 juntos durante 2 semanas e nas outras 2 ele ficou aos cuidados do pai porque eu estava a trabalhar.

Se podíamos ter saído mais e feito mais coisas?
Sim..., mas este ano ainda adequamos muito as nossas saídas às necessidades do Diego. Ele p-r-e-c-i-s-a de dormir a sesta. Não é "cocozice" minha, é mesmo uma necessidade dele que eu sinto que tenho de respeitar.
Cenário 1: quando fomos a Sintra, aproveitámos e rumamos a Lisboa. Nesse trajecto, ele adormeceu e quando chegamos a Belém, acordámos o cachopo. Foi o KAOS! Muita birra de sono e não deu para ver nada.
Cenário 2: vamos a algum lado depois do almoço e ele adormece no carro antes de chegarmos ao destino;
Cenário 3: não dorme depois de almoçar, mas no final, como está tão cansado, deita-se literalmente no chão e adormece sem jantar, sem tomar banho...


Setembro

Setembro é "aquele" mês dos recomeços, mas este ano não o senti assim. Outubro será o meu mês de rentree, mas por um motivo bom.

Para o D foi o voltar à escolinha, após 4 semanas em casa. Fizemos uma espécie de preparação: visitamos a auxiliar no seu trabalho de fds, passamos e paramos ao pé da escolinha, fomos falando do regresso uns dias antes...e acho que até correu bem. No primeiro dia, em casa chorou e disse que "não queria ir trabalhar"( e ainda estava a "dormir em pé", mas assim que o meti no carro aquilo passou e ficou bem.

Desenho que o pai fez para o cachopo:

Após 2 tentativas frustadas, lá conseguimos acertar com o horário dos barcos no Parque das Caldas da Rainha. Promessa cumprida!

E como sempre, aproveitamos todos os raios de sol para dar um "rolé" e desta vez foi por Peniche.

O homem fez anos no último dia de Verão, e fechamos a estação em alta, onde os dois adultos presentes se deliciaram com um Porto de 1977. Comemoração de 40 anos mereceu isto!

O Verão lá vai e entra em cena a minha estação favorita. Estou muito positiva quanto aos próximos 3 meses, que se afiguram de adaptação e saída da zona de conforto, mas em condições muito mais favoráveis para a minha vida futura. It´s not the end. It´s just a new beginning...